fbpx

Scrum: os pilares da metodologia ágil

Conhecida também como Metodologia Ágil, o Scrum é um processo que visa otimizar a criação e o desenvolvimento de produtos, serviços e outras demandas. É o que se chama de framework, termo utilizado na programação, onde, através de códigos e comandos variados, é possível criar um fluxo contínuo e mais ligeiro de procedimentos. O grande objetivo da técnica é enxugar demandas que usualmente exigem passos complexos.

Scrum: uma forma de otimizar os processos que surge nas indústrias e desenvolvedoras de softwares e que, agora, está tomando conta de muitos outros segmentos. No dia a dia, somos tomados por dezenas de demandas e, com o decorrer da rotina, nos damos pouco conta de que esses processos poderiam ter levado tão menos tempo. É aí que entra essa corrente. 

Conhecida também como Metodologia Ágil, o Scrum é um processo que visa otimizar a criação e o desenvolvimento de produtos, serviços e outras demandas. É o que se chama de framework, termo utilizado na programação, onde, através de códigos e comandos variados, é possível criar um fluxo contínuo e mais ligeiro de procedimentos. O grande objetivo da técnica é enxugar demandas que usualmente exigem passos complexos.

Tempo é dinheiro, então, qualquer processo que otimize esse primeiro fator é muitíssimo bem-vindo. Com o Scrum, você reduz a duração dos processos através da divisão com etapas e funções bem definidas, o que gera mais produtividade e, consequentemente, adições ao seu faturamento. 

Procura otimizar os processos da sua empresa? Conheça abaixo os principais pontos da Scrum. 

Scrum: os pilares fundamentais  

O Scrum precisa de funções e processos muito bem definidos para alcançar sucesso. Por essa razão, ele se utiliza de três conceitos básicos para dar base à toda a metodologia. São eles: papeis, eventos e artefatos. Também conhecido como o “3-5-3 do Scrum”, pela divisão respectiva de subcategorias, é a partir desses pilares que se designam as principais funções do processo. 

O papeis referem-se às funções principais de todos os participantes do processo. São três encargos – esse número pode ser ampliado, dependendo da sua demanda, mas os principais são os listados a seguir. O primeiro deles é o Scrum Master, o principal responsável pelo funcionamento do fluxo do projeto. Seu maior objetivo é encontrar pontos que atrapalhem o processo e, assim, tentar resolvê-los. Além disso, o “mestre” toma a frente nas reuniões e ajuda a motivar toda a equipe.

Equipe, esta, descrita pelo termo Scrum Team, trata-se dos membros do time que estão divididos em funções multidisciplinares para dar conta do recado. Por fim, temos o Product Owner. Refere-se ao profissional que fará todo o intermédio entre a equipe e o cliente, bem como ajudará a solicitar revisões e correções e definirá as ordens de prioridades de acordo com o contato com o solicitante. 

Os eventos – são cinco, no total – podem ser entendidos como os processos essenciais para o funcionamento da metodologia Scrum. Eles ajudam a criar uma rotina do processo e a respeitar as predeterminações da Sprint – um período fixo definido para que a demanda seja concluída. O primeiro deles é o Planejamento Sprint, onde o trabalho a ser finalizado na Sprint é definido com a ajuda de todo o Scrum Team

Em seguida, inicia-se a Execução Sprint, que, como o nome sugere, visa a realização das tarefas definidas no passo anterior. Outro processo de eventos se chama Daily Scrum, reuniões diárias curtas (e realizadas em pé, para explicitar a agilidade) onde todos as demandas são repassadas e cada membro tem de responder a três perguntas básicas: o que foi feito ontem que contribui para o cumprimento da meta, o que pretendo fazer até o fim do dia e quais são as principais dificuldades. 

Por fim, temos a Revisão Sprint e a Retrospectiva Sprint. A primeira refere-se a uma reunião realizada ao final da Sprint para rever ou adaptar o Backlog do Produto, caso necessário (calma, já explicaremos o que é isso). É nesse encontro onde são relatados e discutidos todos os passos do processo. Enquanto a revisão visa melhorias no produto, a retrospectiva quer otimizar o processo, para que as próximas Sprints sejam entregues com qualidade ainda melhor. 

No último pilar essencial do Scrum, temos três artefatos. São etapas que visam a transparência do processo e assegura que todas as informações necessárias estão à disposição de todo o time. 

No Backlog do Produto (olha ele aí!), toda a sequência do trabalho é definido de maneira decrescente em relação às necessidades do cliente, reunidas graças ao Product Owner. É ele que determina que precisamos realizar primeiro as tarefas de maior prioridade. 

Em seguida, temos o Backlog do Sprint, que nos ajuda a determinar uma lista de tarefas a serem cumpridas em um determinado Sprint; geralmente, são as tarefas designadas para serem realizadas no dia vigente. Ao final, temos o Incremento Scrum, que é a lista final com todos os itens do Backlog do Produto que já foram completados. 

De acordo com o livro “SCRUM: A arte de fazer o dobro do trabalho na metade do tempo”*, instituições que adotaram o método já registraram ganhos de produtividade de até 1.200%. Diversas empresas populares, como a Globo, o Google e a Yahoo! já tiveram processos otimizados graças à Metodologia Ágil. 

* “SCRUM: A arte de fazer o dobro do trabalho na metade do tempo” é um livro lançado no ano passado pela editora Sextante. A publicação foi escrita por Jeff Sutherland e J. J. Sutherland, os criadores da metodologia. 

Na obra, os autores contam a história do Scrum, dissecam sobre a eficácia da aplicação e apresentam diversos cases de sucesso da metodologia. O livro está disponível na Amazon a partir de R$ 16,11. 

MY OFFICE ESCRITÓRIOS INTELIGENTES
www.myoffice.com.br – +55 (21) 2132-7979

Recuperação de empresas: entenda o método turnaround

Do pequeno empresário às multinacionais, ninguém passará ileso por esse momento de recessão. Nessas horas, torna-se muito útil entender o que é “turnaround” e como pode se dar esse processo de recuperação de empresas! Acompanhe.

Recuperação de empresas: um processo essencial para o contexto atual da economia. Seja por crises mundiais ou por mudanças drásticas nos mercados, existem momentos em que precisamos repensar nossos negócios e buscar reestruturação financeira. Mais do que desenvolver formas de sobreviver a momentos de recessão, é necessário aprender a se reinventar. 

O mundo presencia uma das maiores crises sociais da história da humanidade e, como era de se esperar, a economia também sofrerá desfalques. Segundo o Fundo Monetário Internacional (FMI), a projeção é que haja uma queda de 3% na economia global em 2020; no Brasil, esse número pode chegar a 5,3%. 

O fato é que, do pequeno empresário às multinacionais, ninguém passará ileso por esse momento de recessão. Nessas horas, torna-se muito útil entender o que é “turnaround” e como pode se dar esse processo de recuperação de empresas! Acompanhe.  

Recuperação de empresas: o que é turnaround?

Podemos pensar esse método a partir da própria tradução do termo “turnaround”. Segundo o dicionário de Oxford, a expressão representa “uma mudança abrupta, especialmente uma que resulta em uma situação mais favorável”. Portanto, essa metodologia representa um processo de mudança de uma empresa durante um período de crise, como o que vivemos agora. 

Os principais objetivos do turnaround são recuperar a estabilidade financeira e colocar sua empresa de volta no mercado, trazendo inovações e promovendo a manutenção da competitividade. Para tal, você não deve medir esforços e fazer um panorama geral de todos os processos da sua empresa. Estamos falando de reposicionamento, portanto, você não pode ser aquela pessoa que tem dificuldade de desapegar do que já estava predefinido.  

É preciso repensar os seus gastos, desenvolver novos produtos (inovação!) e até mesmo redefinir sua missão, visão e valores, se for necessário. Processos internos ou de organização estrutural também precisam ser alterados: relação com o nicho, estratégias de marketing, políticas de atendimento, mudanças relacionadas ao capital humano e muito mais. Lembra do que a Oxford diz? “Mudança abrupta”!  

O processo de recuperação de empresas, no entanto, não tem que ser pensado como obrigatório só porque estamos diante de uma crise mundial. Sabemos que há negócios que estão em crescente no atual contexto. Não existem regras fixas, ainda mais se tratando de um ambiente tão diverso como o mundo dos negócios! Por isso, para definir se há necessidade de fazer um “turnaround”, você precisa analisar os últimos números da sua instituição. 

Os primeiros sinais de que você pode estar precisando do processo de recuperação de empresas são os mais óbvios: baixa nas vendas e queda nos lucros. Outros indicadores que devem te deixar alerta são diminuição do preço de ações, má gestão de recursos e grande alta de custos e um consequente endividamento. 

Recuperação de empresas: passos básicos essenciais

Não existe reposicionamento sem diagnóstico. Logo, o passo inicial mais importante para iniciar qualquer mudança é uma avaliação completa da sua empresa. Tenha em mãos apontamentos sobre o desempenho, as estratégias que deram certo, as que deram errado, as que aparentam fraqueza nos últimos tempos. Quanto mais dados você tiver, mais precisa será sua análise e mais efetivas podem ser suas intervenções.  

É preciso compreender que o processo de recuperação de empresas não é, necessariamente, um processo de “passaralho”. Pelo contrário, é necessário fortalecer ainda mais o seu time e desenvolver uma comunicação mais assertiva para com seu eles. Seus funcionários precisam fazer parte do processo, afinal, são eles que compartilham o dia a dia da firma e podem ter insights primorosos nesse “turnaround”. 

Mesmo que você contrate uma empresa terceirizada para consultoria, busque informar sempre sua equipe sobre os passos do processo e seus resultados e estimule-os a dar opiniões. O feedback durante a implementação da recuperação de empresas é essencial, também, para o alinhamento do time quando essas novas estratégias estiverem em vigência. 

Recuperação de empresas: exemplos

Empresas mundialmente famosas já realizaram o processo de recuperação de empresas em diferentes momentos da história. Uma delas foi a General Motors, a famosa marca de automóveis. Impactados pela crise de 2008, a empresa perdeu bilhões e precisou fazer um “turnaround” para salvar as finanças. Em 2013, a Forbes definiu o processo como “extraordinário” em um artigo que retratou “a verdadeira história da mais importante falência da história dos Estados Unidos”

O processo de turnaround também foi essencial para salvar três empresas brasileiras muito populares: Casa & Video, Leader e Bravante. O responsável foi Fabio Carvalho, que chegou a acumular uma dívida de R$ 40 milhões, mas conseguiu reestruturar as marcas. Em entrevista à revista Exame, em 2016, ele afirmou: “O que mais me motiva é estar construindo um time de pessoas que têm a mesma filosofia e o mesmo ritmo de reconstruir empresas. Não adianta reclamar que o negócio está ruim e difícil, porque a gente só existe nos negócios que estão ruins e difíceis. É um time sendo criado para resolver problemas complexos e entrar onde muita gente não quer entrar”. 

MY OFFICE ESCRITÓRIOS INTELIGENTES
www.myoffice.com.br – +55 (21) 2132-7979

Procrastinação: os passos para se livrar desse mal

Procrastinar menos requer pequenas mudanças na rotina e, principalmente, alterações no modo com que você enxerga seu próprio trabalho. Acompanhe essas dicas!

Procrastinar

Segundo o dicionário, procrastinar é “o ato de adiar algo ou prolongar uma situação para ser resolvida depois”. Seja pelo estresse do dia a dia ou pela sobrecarga de demandas, a procrastinação é a principal vilã de quem depende da própria produtividade. Em pesquisa realizada pela MindMiners em parceria com a Fundação Estudar, esse problema foi apontado por 52% dos entrevistados como o maior responsável pela queda de produção. 

Dentre eles, 51% afirmaram que “saber priorizar melhor as tarefas” seria a grande solução para se tornar um trabalhador mais produtivo. De fato, uma procrastinação menos frequente requer pequenas mudanças na rotina e, principalmente, alterações no modo com que você enxerga seu próprio trabalho. Acompanhe essas dicas! 

Abaixe a meta

Deixar a meta aberta para quando atingi-la, dobrá-la? Não é a melhor das ideias. Dentre todas as suas tarefas do dia, certamente, tem aquela que te preocupa mais, o que já causa um certo bloqueio e te trava logo de cara. 

Uma das principais causas de procrastinação é aquela autossabotagem que te faz crer que você não vai conseguir concluir sua obrigação. Por essa razão, nunca comece pelo mais denso. 

Inicie pelas demandas mais simples, seja no fator tempo, ou pela facilidade de conclusão. A sensação de que as coisas estão andando (e, de fato, estarão) infla sua autoestima e te deixa com ainda mais gás para quando chegar a hora de encarar a tarefa mais difícil. 

To do list

Outro fator que nos leva a procrastinar é quando tudo parece uma bagunça e a gente se sente perdido. Por isso, antes do fim do expediente, já prepare a lista de afazeres do próximo dia. Assim, você inicia o dia de trabalho com completa noção de todas as demandas que precisam ser concluídas. 

Vale reforçar: dar “check” nas tarefas concluídas dá aquela satisfação de vida andando que é essencial para afastar a necessidade de procrastinar. Mesmo que apareçam “pepinos” inesperados para resolver, alimente sua to do list com eles. Você precisa estar no controle da situação para garantir sua produtividade!  

Lembre-se de que você é bom

A baixa autoestima é um dos principais fatores para a procrastinação. O sentimento de incompetência ou incapacidade é um grande bloqueador e pode te levar a crer que você não conseguirá cumprir suas demandas antes mesmo de iniciá-las. 

Portanto, cada vez que pensamentos “auto abusivos” invadirem sua cabeça, faça questão de reforçar para si as suas capacidades. Afinal, se você fosse tão incompetente quanto sua mente quer te fazer acreditar que é, essas demandas nem teriam sido confiadas a você. Liste em voz alta todas as suas habilidades, ou pelos menos as que você mais se orgulha. Projetar isso tudo para fora faz toda a diferença. 

Se mime

“Não fez mais que sua obrigação”: ok, mas você dedicou seu tempo, seu esforço, sua inteligência e até tirou disposição de onde não tinha para cumprir aquela demanda. Portanto, você merece, sim, se recompensar! 

Estabeleça pequenos brindes para si mesmo ao fim de cada tarefa. Não precisa ser nada mirabolante: uma pausa de dez minutos, um café, um pedacinho de chocolate, uma checada nas redes sociais ou até ouvir uma música que você gosta muito. 

No entanto, estabeleça limites. Definir previamente o mimo é importante para você não cair no conto de que pode relaxar até demais e acabar se perdendo no tempo novamente. 

Fique de olho na sua saúde

A procrastinação está diretamente ligada ao estado das nossas emoções e, por isso, ela também pode ser sintoma de transtornos como ansiedade e depressão. No entanto, esse diagnóstico deve ser dado apenas após consultas psicológicas. O mesmo vale para as medicações. Existem diversos artigos na internet que recomendam medicações para a solução da problemática, mas não adquira nenhum desses remédios sem prescrição. 

Uma das tendências da procrastinação é adiar, também, cuidados com a própria saúde, como prática de exercícios ou idas a consultas médicas. Muitas vezes, o desânimo que gera a procrastinação pode ser fruto de algum outro problema físico ou pessoal que não tem a mínima relação com o ambiente de trabalho. Por isso, caso nenhuma dessas dicas tenham feito diferença na sua rotina, procure um tratamento médico o quanto antes.

MY OFFICE ESCRITÓRIOS INTELIGENTES
www.myoffice.com.br – +55 (21) 2132-7979

Endomarketing: saiba como aumentar a motivação da sua equipe

Endomarketing: pequenas mudanças de posicionamento para com os seus funcionários podem trazer grandes resultados. Sente que o clima na sua empresa não é mais o mesmo ou perceb....

Endomarketing: pequenas mudanças de posicionamento para com os seus funcionários podem trazer grandes resultados. Sente que o clima na sua empresa não é mais o mesmo ou percebe uma grande queda na produtividade da equipe? Parece “frescura”, mas um time que não veste a camisa afeta diretamente a qualidade do produto ou do serviço e você vai sentir o impacto na hora de fechar as contas no fim do mês.  

De acordo com o estudo Global Human Capital Trends 2019, levantamento realizado anualmente pela Deloitte, 85% dos empregados ao redor do mundo não se sentem engajados com o próprio trabalho. O endomarketing pode ajudar a reverter esse quadro. Esse conceito criado em meados da década de 1980 tem se revolucionado e auxiliado na missão de não criar um ambiente hostil de trabalho. 

Endomarketing: o que é? 

Também conhecido como Marketing Interno, essa estratégia visa um trabalho institucional. A cultura do medo é coisa do passado! É o fim da relação fria entre membros de uma equipe com base em hierarquias. O endomarketing pensa ações internas voltadas para a empresa e a equipe de funcionários com o objetivo de melhorar a relação daquele empregado com o próprio local de trabalho.

Em tempos de altos índices de estresse por conta do ambiente de trabalho uma pesquisa realizada pela International Stress Management Association (ISMA-BR) revelou que o Brasil é o segundo país com maior índice de doenças relacionadas ao estresse corporativo o endomarketing é de extrema importância porque propaga o bem estar do trabalhador e o funcionamento do coletivo. Por essa razão, não é feito pela diretoria, é feito de funcionário para funcionário. 

As principais vantagens do método é criar uma equipe motivada. O funcionário percebe que pode ser ouvido e que trabalha em uma empresa em que o seu bem estar é levado em consideração. E tamanho zelo gera produtividade! Ele se torna mais comprometido com as demandas, entregando resultados melhores. A equação é direta: colaborador satisfeito resulta em trabalhos bem feitos que fidelizam clientes. 

Além disso, o endomarketing ajuda a reduzir consideravelmente os números de turnover da empresa. Trata-se da taxa de rotatividade de uma companhia, que é medida pela comparação entre o número de novos funcionários em relação ao de pessoas que estão saindo. Entre 2011 e 2014, a taxa de turnover no Brasil cresceu 82%; 44% a mais que a média mundial do período. Os dados foram revelados pela empresa de consultoria de recrutamento Robert Half.  

Um dos cases de sucesso mais famosos de endomarketing é o da Fiat. O principal pilar do marketing interno da famosa fábrica de carros é o fim do distanciamento entre funcionários e chefia. Por lá, qualquer membro da equipe consegue contato com o chefe com quase nenhuma burocracia. Além disso, os trabalhadores são os primeiros “clientes”: eles têm direito a fazer um test drive nos lançamentos da marca. Demais, não é?

Endomarketing: é difícil de implementar? 

Geralmente, o endomarketing é o resultado da união entre os setores de marketing e recursos humanos. Antes de mais nada, é preciso um minucioso trabalho de pesquisa interna para saber a opinião da equipe sobre o dia a dia de trabalho. Você precisa descobrir quais as necessidades e queixas daquele funcionário e escutar atentamente as sugestões de melhorias. 

Por isso, é tão importante que seja feito de funcionário para funcionário. Não são todos que teriam coragem de se abrir verdadeiramente para alguém “superior” sobre onde a empresa está pecando. 

Vale destacar que é fundamental que o funcionário tenha voz sempre. É preciso um canal onde frequentemente ele possa estar destacando seus posicionamentos e não apenas em período de desenvolvimento de marketing interno. Pesquisas de satisfação são uma ótima dica! Com os pontos de vistas e ideias em mãos, os setores responsáveis já podem começar a desenvolver as campanhas de endomarketing. 

Endomarketing: dicas de ações

  • Happy hour ou eventos de integração, para que os funcionários se enxerguem para além de colegas de trabalho.
  • Mimos são sempre bem-vindos! 
  • Palestras motivacionais, para desenvolver a autoestima da equipe. 
  • Plano de carreira é primordial para que o funcionário se sinta motivado a continuar na empresa. 
  • Workshops, cursos e treinamentos, para que o time sinta que está adquirindo conhecimento na empresa e não apenas vendendo seu trabalho. 
  • E o mais simples de tudo: elogios! Reconheça o bom trabalho de quem está no seu time! 

MY OFFICE ESCRITÓRIOS INTELIGENTES

www.myoffice.com.br – +55 (21) 2132-7979