fbpx

Novo normal nos escritórios inteligentes

  • My Office

Novo normal: a crise financeira, sanitária e social que o Brasil atravessa fez com que milhares de empresários repensassem a forma com que os gastos estavam distribuídos, seja pelo fechamento temporário dos estabelecimentos ou pelo aumento previsto de inadimplência. O fato é que nem todos passaram por esse processo de maneira preventiva: muitos foram obrigados a abrir mão de seus espaços físicos ou até mesmo de colaboradores para não ver o próprio negócio afundar. 

Para manter um local físico em funcionamento, existem diversos custos indispensáveis, como luz, água, internet, telefonia e manutenção. Além do montante financeiro, há também a responsabilidade de administrar todas essas demandas. No entanto, sem dúvidas, o que mais pesa no bolso é o aluguel. Não existem dados específicos em relação à locação empresarial, mas podemos traçar projeções a partir de dados residenciais. 

Segundo a Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) 2017-2018, realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 10% da população brasileira gasta mais de 23 mil reais por ano apenas com aluguel. Se somadas outras taxas de habitação, como energia elétrica, telefone fixo, telefone celular, pacote de telefone, TV e Internet, gás de uso doméstico, água e esgoto, as despesas chegam a representar 36% dos gastos. 

É nesse contexto que os escritórios inteligentes, também chamados de coworking, se mostram como a alternativa mais segura e econômica no “novo normal”, um momento que exige redução de gastos. Em se tratando de poupar dinheiro, as empresas mais especializadas do segmento oferecem luz, água, internet e manutenção inclusos. Há também pacotes que ofertam salas de reunião, espaços privativos e endereço fiscal, que serve para registrar seu negócio e garantir a regularização do CPNJ da sua firma. Em resumo, você consegue diminuir suas despesas sem comprometer a qualidade do trabalho. 

Outro ponto que coloca os escritórios inteligentes como solução no “novo normal” é a flexibilidade dos contratos, uma vez que o momento ainda traz incertezas. Desde o tempo de vigência aos espaços disponibilizados, os coworkings com mais credibilidade no mercado sempre pensam em oferecer condições que atendam às especificidades de cada empreitada. Por exemplo, você pode aumentar ou reduzir a equipe conforme a demanda de trabalho sem burocracias. 

Além da redução financeira e da flexibilização, trabalhar em um modelo como os escritórios inteligentes traz um fator primordial para o “novo normal”: o networking. O contexto da pandemia nos explicitou a codependência em diversos setores do mundo dos negócios e, trabalhando em contato direto com empresários dos mais variados segmentos, você tem a possibilidade de trocar ideias e contatos e expandir os próprios conceitos. 

Mas se engana quem acha que o coworking é um modelo de trabalho que está emergindo graças ao contexto de crise e das projeções do “novo normal”. As discussões sobre formas mais econômicos e por que não sustentáveis? de trabalhar são antigas. Os dados a seguir, extraídos antes da pandemia do novo coronavírus, explicita a crescente popularidade dos escritórios inteligentes no Brasil. 

Escritórios inteligentes: crescente vem antes do “novo normal”

Entregando dados sobre o segmento desde 2015, a edição do ano passado da pesquisa Censo Coworking Brasil revelou que existem 1.497 escritórios compartilhados conhecidos no país, o que representa um aumento de 25% em relação a 2018. O crescimento é ainda mais impressionantes se comparado ao começo do levantamento, há 5 anos: o número de coworkings aumentou mais de 600%.  

Outro fator que chama a atenção sobre o coworking e coloca o modelo de trabalho como primordial para o “novo normal” é o fator da multidisciplinaridade. Ainda de acordo com a pesquisa do Censo, 88% dos escritórios inteligentes do Brasil não atuam em nenhum eixo específico, o que abre precedente para que os mais variados tipos de negócio se desenvolvam nesse espaço. 

Em um contexto em que se discute saúde e bem-estar o tempo todo, o “novo normal” deve pensar também em como alinhar esses conceitos à prosperidade de um negócio. Na edição de 2018, o Censo Coworking Brasil levantou dados sobre os profissionais que atuavam dentro dos escritórios inteligentes e que provam que eles contribuem diretamente para este tipo de manutenção. 

Os dados a seguir mostram a totalidade de entrevistados que apontaram que os seguintes quesitos “melhoraram” ou “melhoraram muito” após se associar a um coworking: renda mensal, 43%; networking profissional, 72%; produtividade 77%; relações familiares, 37%; saúde e disposição; 29%. 

My Office Escritórios Inteligentes

Somos o My Office, empresa especializada em inteligência para a gestão de escritórios e uma das principais referências de coworking do Rio de Janeiro. Atuando no mercado desde 2008, oferecemos soluções imediatas para quem deseja gerir uma empresa ou negócio sem os custos de infraestrutura de um escritório convencional. Com ambientes ideais para compartilhamento de ideias e negócios, estamos aqui para ser o seu escritório!

Os Associados das nossas sedes — Barra da Tijuca, Leblon, Centro e, em breve, Niterói — podem usufruir de estações de trabalho compartilhadas, escritórios privativos e salas de reunião, que garantem excelência nas suas atividades e todo o conforto para receber clientes, fornecedores e parceiros. Além disso, você conta também com escritório virtual, que oferece endereço comercial e fiscal de prestígio para o processo de registro de sua empresa. 

E o melhor: todos os nossos pacotes incluem luz, água, internet e manutenção, o que diminui muito os seus gastos e faz com que ser nosso Associado custe bem menos que o aluguel de uma sala comercial. Não se preocupe também quanto a horários: estamos abertos 24 horas por dia e sete dias da semana para você usufruir do nossos espaços. 

É hora de decisões inteligentes! 

Para mais informações, 

MY OFFICE ESCRITÓRIOS INTELIGENTES
www.myoffice.com.br – +55 (21) 2132-7979