fbpx

Profissões do Futuro: conheça o professor de bots

Profissões do futuro: Ligada a um conceito de sociedade sustentável, a Inteligência Artificial pode ser definida como um campo da ciência da computação cujo principal objetivo é reproduzir a capacidade humana de pensar, tomar decisões, ter ideias e lidar com problemas.

Profissões do futuro: Ligada a um conceito de sociedade sustentável, a Inteligência Artificial pode ser definida como um campo da ciência da computação cujo principal objetivo é reproduzir a capacidade humana de pensar, tomar decisões, ter ideias e lidar com problemas. Tudo isso é feito através de máquinas e softwares que abrangem os mais diversos setores e serviços. Mas se engana quem pensa que é possível ignorar o trabalho humano em todo este processo.  

A Inteligência Artificial não vai extinguir os empregos no mundo. Muito pelo contrário. Graças a ela, estão surgindo uma nova gama de profissões e não apenas para quem tem formação em tecnologia. Diariamente, somos impactados por iniciativas da IA, especialmente, quando se trata de atendimento. Apesar de nos deslumbrarmos com a tecnologia, o aperfeiçoamento dessas ferramentas depende diretamente de um treinamento humano. É aí que o entra o professor de bots. 

Profissões do futuro: professor de bots? 

Sabe aquela mensagem automática que você recebe pelas redes sociais ou aquela solução de problemas pelo telefone sem ser preciso conversar com um atendente? Estes “robôs”, como são carinhosamente chamados, recebem um treinamento humano intensivo. A função do professor de bots é manter esta máquina atualizada, de modo que ele sempre receba as perguntas com entendimento cada vez mais óbvio e, assim, ofereça uma resposta com solução destrinchada. Em um resumo bem simplório: o professor de bot ensina a máquina a falar. 

Estes bots precisam realizar um atendimento personalizado, que traga soluções, proporcione uma experiência agradável ao cliente, mas que, principalmente, seja um reflexo do tratamento da empresa no offline. A missão, a visão e os valores de uma marca precisam estar representados também na fala destes robôs. Por essa razão, muitas empresas optam por colocar profissionais que já trabalham há certo tempo para integrar esta equipe ao invés de começar um time todo do zero. 

Profissionais de cursos de jornalismo, publicidade, marketing, biblioteconomia, administração e letras são os principais alvos desse mercado. São cursos onde são estimuladas a criatividade e a tomada de decisões. Além do conhecimento adquirido nessas graduações, basta apenas conhecimento vasto do setor em que a empresa está inserida. A principal demanda deste profissional é pensar nas mais diversas situações e nas possíveis respostas, desenvolvendo roteiros para as conversas. 

Professor de bots: como está o mercado?

As primeiras pesquisas relacionadas ao tema datam de 2007, quando a famosa (talvez, a mais conhecida de todas) Siri foi desenvolvida por estudantes da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos. Ela foi a primeira secretária eletrônica pensada para celulares e foi comprada pela Apple, que passou a disponibilizar a inteligência nos iPhones a partir de 2011. Neste ano, chegou ao Brasil uma caixa de som lançada pelo Google que te permite colocar qualquer música apenas por um comando de voz. 

Segundo levantamento do eMarketer, empresa de pesquisa de marketing digital, mídia e comércio, divulgado pela revista Exame, o mercado das secretárias virtuais avança cerca de 48% por ano. Ainda de acordo com a mesma publicação, a projeção é que o setor movimente 15 bilhões de dólares até o ano que vem. Projeções tão positivas representam, também, um aumento de demanda – e por consequente, de procura – dos professores de bots.

Além do professor de bot, diversos outros profissionais são necessários para obter a equipe perfeita. Um analista de dados é importante para coletar e interpretar dados que otimizarão a tecnologia. Um programador e um UX designer, para desenvolver e realizar a manutenção do sistema. Por último, um antropólogo para pensar nas relações homem x máquina. Os salários variam entre 10 e 25 mil reais. As informações são da Revelo e da Digital House. 

Ainda não existe uma formação específica para professor de bots ou qualquer outro segmento específico na área das secretárias virtuais. O fato é que o mercado da Inteligência Artificial abrange as mais diversas áreas – e parece que elas estão entendendo a necessidade de se agregar a este conceito. O  indicado é que, se você tem interesse em ingressar no ramo da tecnologia, esteja atento às novidades e procure cursos alternativos. 

My Office, O Seu Escritório